Gravidez e Trabalho

Engravidou e está trabalhando? Está grávida e em busca de uma vaga de emprego? Saiba quais são os direitos e deveres das gestantes em relação ao mercado de trabalho, e a ligação entre gravidez e emprego.

Quando a mulher se descobre grávida, surgem muitas e muitas dúvidas, principalmente em relação aos direitos legais. "Se estou grávida, posso me candidatar a uma vaga de emprego?" "Agora que engravidei, vou ser demitida do meu emprego?" Essas e muitas outras questões sobre gravidez e emprego acabam por aparecer na vida da futura mamãe.

Direitos e Deveres da Gestante

As gestantes tem seus direitos garantidos pelo Governo. A Previdência Social permitiu recentemente que as mulheres grávidas que são empregadas domésticas, autônomas ou desempregadas (que têm o direito de receber o salário até 36 dias depois da demissão) possam obter o salário-maternidade em apenas 30 minutos, agendando horário nas agências do INSS pelo telefone 135. Já as trabalhadoras registradas em carteira continuam recebendo normalmente o benefício pela empresa que trabalham. A futura mamãe também não pode ser demitida a partir do momento da confirmação da gravidez e até cinco meses após o parto, a não ser por justa causa, abandono do emprego e condenação criminal.

  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
  • Gmail

Conheça seus direitos como gestante

Logo que seu médico confirmar a gestação, peça a ele um atestado ou declaração e apresente na sua empresa, guardando com você uma cópia para eventuais comprovações. Nas consultas de pré-natal ou exames, solicite sempre a declaração de comparecimento para ter a falta justificada e não perder seus direitos.

A licença-maternidade de 120 dias garante à mulher empregada segurada do Regime Geral de Previdência Social uma renda mensal igual à sua remuneração integral. O início da licença acontece a partir da notificação do empregador, por meio de atestado médico, e poderá ocorrer, em situações normais, a partir do 28º dia antes do parto (ou na ocorrência do parto). Para as mulheres que não tem renda fixa, o valor pago corresponde à média dos recebimentos referentes aos seis meses anteriores ao parto. Em caso de mais de um emprego, a grávida continuará recebendo os mesmos valores como se não estivesse afastada, pois cada empresa vai ser responsável pela sua parte correspondente.

A mãe adotiva ou a mulher que estiver com a guarda judicial de uma criança para fins de adoção tem licença-maternidade de acordo com a idade da criança adotada: com até 1 ano, ganha 120 dias; entre 1 e 4 anos, 60 dias; e entre 4 e 8 anos, 30 dias. Em caso de aborto natural, a mulher tem direito a duas semanas de repouso amparadas por lei.

Nas empresas onde trabalham pelo menos 30 mulheres com mais de 16 anos deve haver creche. Caso não exista a possibilidade de montar uma creche na empresa, o benefício pode ser substituído pelo pagamento de auxílio-creche. Para a amamentação, a lei prevê dois descansos especiais, de meia hora cada um, durante a jornada de trabalho, até o filho completar 6 meses.

As empregadas domésticas também tem garantia de emprego desde a confirmação da gravidez até cinco meses após o parto. O salário-maternidade corresponde ao valor correspondente ao último salário de contribuição da empregada doméstica segurada.

A exigência de atestado de gravidez e esterilização é ato defeso por Lei, sendo vedado todas e quaisquer práticas discriminatórias, para efeito admissional ou de permanência na relação jurídica de trabalho, como por exemplo, a exigência de teste, exame, perícia, laudo, atestado, declaração ou qualquer outro procedimento relativo à esterilização ou a situação de gravidez.

Caso isso ocorra, a gestante tem duas opções: optar pela “I- readmissão com ressarcimento integral de todo o período de afastamento, mediante pagamento das remunerações devidas, corrigidas monetariamente, acrescidas dos juros legais”; ou requerer a “II- percepção, em dobro, da remuneração do período de afastamento, corrigida monetariamente e acrescida dos juros legais.”, conforme rege o artigo 4º da Lei n.º 9.029/95.  Nesses casos, a gestante deve procurar a Delegacia do Trabalho, ou na falta desta, o Ministério Público.

Mas atenção: caso a gravidez ocorra durante o período de experiência, a gestante não terá direito à estabilidade garantida para as gestantes, uma vez que ela não será dispensada pelo fator gravidez, e sim pelo término do contrato.

102 comentários
  1. Posted by dry
  2. Posted by clarice
  3. Posted by alcimara ferrão
  4. Posted by graciela
  5. Posted by jackson
  6. Posted by sinara souza viana
  7. Posted by marcela
  8. Posted by cristiane oliveira
  9. Posted by luciana
  10. Posted by Fernanda
  11. Posted by Danusa
  12. Posted by Raquel de Fatima Ribeiro da Silva
  13. Posted by Louana Ramos de Oliveira- Goiania
  14. Posted by Leiila
  15. Posted by Leiila
  16. Posted by Rose
  17. Posted by Alessandra
  18. Posted by Carlos Eduardo Bastos
  19. Posted by laura
  20. Posted by FRANCIELE
  21. Posted by FRANCIELE
  22. Posted by Germaine Moura
  23. Posted by Daniela
  24. Posted by SARA
  25. Posted by Karina
  26. Posted by Nayra
  27. Posted by KARLA
  28. Posted by Lene
  29. Posted by rejane
  30. Posted by Anny
  31. Posted by aline
  32. Posted by ALESSANDRA
  33. Posted by luzineide
  34. Posted by Karen
  35. Posted by Kelly
  36. Posted by sheylla
  37. Posted by Leticia
  38. Posted by geralda
  39. Posted by fernanda souza
  40. Posted by tamires
  41. Posted by lecamatos
  42. Posted by sheila
  43. Posted by Viviane
  44. Posted by maria
  45. Posted by idalina
  46. Posted by cassia
  47. Posted by Maristela
  48. Posted by luciana
  49. Posted by joelma moreira
  50. Posted by Janaina Soares
  51. Posted by Daniele
  52. Posted by Juliene
  53. Posted by paula
  54. Posted by mari
  55. Posted by Bruna
  56. Posted by moveis
  57. Posted by MARCIA
  58. Posted by jefferson
  59. Posted by Léia faustino soares
  60. Posted by ana
  61. Posted by Valquiria
  62. Posted by JULIANA LOPES
  63. Posted by RENATA
  64. Posted by Gabrielly
  65. Posted by suzana
  66. Posted by cristina
  67. Posted by Eliziane
  68. Posted by ANA CLAUDIA
  69. Posted by joseani cristina
  70. Posted by Jefferson
  71. Posted by Adilson Santos
  72. Posted by renata
  73. Posted by MIRELE APARECIDA MARTINS TEO
  74. Posted by ANGELICA
  75. Posted by Priscila
  76. Posted by elisangela
  77. Posted by Sandra
  78. Posted by HELENA
  79. Posted by Eliane
  80. Posted by maria
  81. Posted by JAQUELINE
  82. Posted by eli
  83. Posted by Bruna
  84. Posted by andre mendes
  85. Posted by Jefferson - Advogado
  86. Posted by QUELEN ALICE SALAZAR VAZ
  87. Posted by Kauane Carolina
  88. Posted by faltam 7 dias para o termino da minha licenca maternidade posso tomar posse em um concurso e assumir o cargo
  89. Posted by Carolina
  90. Posted by beta
  91. Posted by josiane
  92. Posted by Ingrid Dayana
  93. Posted by fernandes
  94. Posted by Andreia
  95. Posted by Carine
  96. Posted by Thays
  97. Posted by FERNANDA
  98. Posted by Dr. Jefferson
  99. Posted by Rosilda
  100. Posted by maaai
  101. Posted by ana
  102. Posted by Luiza

Deixe um comentário

celebrando_a_vida

Baixe Um E-book Grátis Sobre Gravidez

Cartilha responde algumas das dúvidas sobre a gravidez, o parto e o pós-parto que surgem nesta etapa tão importante da sua vida

Pronto! Agora confira o link enviado em seu email!