Infertilidade tem remédio?

A infertilidade, mal que atinge cerca de dois milhões de casais no Brasil, só pode ser comprovada após avaliação clínica mas, mesmo com o problema identificado e confirmado, não há porque se desesperar, pois inúmeras técnicas de fertilização estão disponíveis e a cada ano, outras surgem.

Desde que a mulher tenha um útero para gerar o bebê, qualquer problema pode ser superado através destas técnicas. O importante é avaliar as condições clínicas do casal e aplicar o tratamento mais adequado a cada situação.

Para que você conheça e discuta com o seu médico, colocamos aqui algumas das técnicas contra a infertilidade mais comum e que têm de feito muitas mulheres, mães.

Inseminação Artificial

A técnica que consiste na introdução dos espermatozóides diretamente no útero por meio de um cateter é muito comum nos dias de hoje e pode ser realizada no consultório médico em poucos minutos. A desvantagem é que só podem ser feitas, no máximo, seis tentativas. Depois disso, o método é considerado ineficiente para a situação.

Fertilização in vitro

A técnica do bebê de proveta ou fertilização in vitro é uma das mais utilizadas e com maior chance de eficácia. Este tratamento é indicado a mulheres que não conseguiram obter resultado com outras técnicas mais simples ou que tenham trompas obstruídas.
A aplicação começa com a mulher recebendo medicações hormonais para produzir uma quantidade significativa de óvulos, que serão aspirados por meio de uma agulha e colocados em contato com o espermatozóide fora do corpo da mãe. Após a fecundação, o embrião volta ao útero da genitora para dar continuidade ao seu desenvolvimento.

Relação Sexual Programada

Próximo de uma reprodução natural, a técnica consiste em estimular a produção de óvulos por meio de medicamento hormonal. O crescimento desses óvulos é acompanhado no consultório por meio do ultra-som, que verifica o tamanho adequado, determinando o melhor momento. No período de 24 a 36 horas após a aplicação do medicamento que são recomendadas as relações sexuais.

Deixe um comentário