Vacinas na gravidez

Quais vacinas a mulher grávida deve tomar e quais devem ser evitadas? Essa é uma dúvida comum entre as mulheres que descobrem que estão grávidas – e algumas ainda só descobrem que estão grávidas depois que tomam a vacina e ficam com dúvidas se podiam ou não.

É importante para a mulher saber, por exemplo, quais foram as patologias que ela teve durante sua vida – inclusive quando criança. Esses dados devem ser relatados para o seu ginecologista, se possível, antes de pensar em engravidar. Para que ele tenha um parâmetro de quais vacinas pode encaminhar para evitar problemas e riscos futuros, como a vacina da rubéola, por exemplo, que deve ser evitada durante a gravidez, mas que pode trazer sérios problemas para o bebê se por acaso a mamãe contrair durante a gestação.

Assim são outras doenças que, no decorrer da vida não apresentam grandes riscos, mas que criam um panorama bem diferente durante a gravidez, podendo afetar mamãe e bebê.
Vamos ver algumas dessas vacinas?

Vacina anti-tetânica

A Vacina anti-tetânica é importante de ser aplicada na gestante em casos do risco de um possível partos fora do hospitais. Em locais fora da cidade, por exemplo.

Vacina anti-rubéola

A rubéola é uma doença que, muitas vezes, passa despercebida em nossas vidas. Tida como “benigna” em situações comuns,durante a gravidez ela pode afetar o bebê em sua formação, especialmente no primeiro trimestre de gestação. Caso a mulher não esteja imunizada, ela deve receber essa vacina e não engravidar até seis meses após sua aplicação.
Apesar de não haver relatos de problemas ligados à vacina em gestantes, o Ministério da Saúde recomenda que a vacina anti-rubéola não seja aplicada nas gestantes.

Vacina anti-hepatites

Podemos aplicar tudo o que foi dito na orientação da vacinação anti-rubéola para a vacina anti-hepatites.

Vacina anti-HPV

Ainda recente no Brasil, a vacina anti-HPV tem grande importância e deve ser aplicada entre os 9 e os 25 anos nas mulheres, em três doses.

A Vacina anti-HPV não deve ser aplicada durante a gestação.

1 comentário
  1. Posted by joana darc

Deixe um comentário